Bioindicadores: sua importância para levantamento de dados ambientais.

São muito utilizados pelo homem, a fim de mensurar danos ambientais, aspectos físicos e químicos do ambiente. Porém, ultimamente novas técnicas de levantamento de dados, estão bem em alta. Que é o caso da utilização de espécies bioindicadoras, para avaliar impactos ambientais; que por maioria das vezes, são promovidos pela ação antrópica.

Os bioindicadores são animais e plantas, que expostos à alguns estímulos (ex.: mudança de clima) ou poluidores. Desenvolvem comportamentos diferentes do considerado normal ou acumulam em seu tecido resíduos contaminantes; indicadores de que naquele habitat houve poluição.

Indivíduos bioindicadores são muito úteis para medição de parâmetros locais. Podendo, esses, serem utilizados para a avaliação de produtos químicos, biológicos ou sintéticos. São amplamente utilizados para medir: mudanças climáticas, contaminação do solo e da água, qualidade do ar.

Geralmente os espécimes utilizados para análise são muito diversos; podendo ser eles: minhocas, toda classe Insecta (moscas, besouros, libélulas, …, cupins), peixes, aves, pequenos mamíferos. Uma gama de animais. Não podendo esquecer também de plantas, que também desempenham excelente função de bioindicadoras; visto que, são bioacumuladoras de substâncias (Ex.: mercúrio).

De acordo com a espécie ela pode ser classificada como: Sentinela, quando o acúmulo de substâncias contaminantes em seu tecido, fornecem informações importantes da disponibilidade de poluentes, e esses, devido a isso, começam a se comportar de maneira inesperada; espécies detectoras, essas  mudam de habitat, rapidamente, devido perturbações no seu habitat natural; exploradoras, mesmo o ambiente estando poluído, essas continuam vivendo em seu habitat podendo ser beneficiada por isso; acumuladoras, acumulam, substancialmente, em seu tecido resíduos contaminantes; sensíveis, são aquelas que mudam de comportamento(Ex.: migratório, reprodução) o nicho ecológico no geral.

É de suma importância salientar que dados amostrais advindos de espécies bioindicadoras é um método, relativamente, recente. Comparado com as amostragens físicas e químicas. Sendo assim, essa técnica ainda está sendo aperfeiçoada por pesquisadores, a fim de dar maior sustentação para o método.

Referências bibliográficas

ANDRÉA, M.M. de. Bioindicadores ecotoxicológicos de agrotóxicos. 2008. Artigo em Hipertexto. Disponível em: <http://www.infobibos.com/Artigos/2008_4/Bioindicadores/index.htm&gt;. Acesso em: 3/4/2021

DANZE, Alana de Pontes; VARCELLINO, Ilka Schincariol. Uso de bioindicadores no monitoramento da qualidade da água. Rev. Revinter, v. 11, n. 01, p. 100-115, fev. 2018. Disponível: <https://saneamentobasico.com.br/wp-content/uploads/2020/02/353-Texto-do-artigo-1519-1-10-20180225.pdf&gt;.Acesso em: 03 de abril de 2021.

PATUCCI, Natália Nunes. Estudo da pedofauna como bioindicadora da qualidade de solos em fragmentos florestais urbanos. 2015. Dissertação (Mestrado em Geografia Física) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, University of São Paulo, São Paulo, 2015. doi:10.11606/D.8.2015.tde-15102015-133644. Acesso em: 03 de abril de 2021.

RAMOS, Jaime Albino. As aves marinhas como bioindicadores ecológicos. Disponível em: <https://eg.uc.pt/bitstream/10316/13282/1/Aves%20marinhas%20bioindicadores.pdf&gt;.Acesso em: 03 de abril de 2021.

            SILVA, Dennis Guilherme da Costa. Uso de lambaris (astyanax sp.) Como bioindicadores de contaminação aquática no rio Vacaraí – RS, Brasil: respostas bioquímicas como ferramentas de biomonitoramento. 2013. Trabalho de conclusão de curso (Bacharelado em Ciências Biológicas). UNIPAMPA. São Gabriel. Disponível em: http://dspace.unipampa.edu.br:8080/jspui/handle/riu/2761. Acesso em: 03 de abril de 2021.

VIANNA, Anderson Martins. Poluição ambiental, um problema de urbanização e crescimento desordenado das cidades. Revista Sustinere, [S.l.], v. 3, n. 1, p. 22-42, jul. 2015. ISSN 2359-0424. Disponível em: <https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/sustinere/article/view/17325&gt;. Acesso em: 03 abr. 2021. doi:https://doi.org/10.12957/sustinere.2015.17325.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: