Florestas que alimentam.

A agricultura tradicional baseada na monocultura está enraizada na nossa cultura, pois essa abastece o consumismo exacerbado do desperdício. Esse tipo de cultura requer grandes áreas cultiváveis, portanto muitos agricultores recorrem ao desmatamento, fazendo com que um problema grande se torne maior ainda, pois além de destruir uma floresta/mata nativa; ele acaba com o potencial produtivo do terreno, fazendo vários ciclos de queimadas, exposição do solo aos agentes modificadores naturais (sol, chuvas e ventos) e aragens que resultam em perda de nutrientes.

Por tanto, as agroflorestas vêm trazer um novo modelo de agricultura, que visa a preservação ambiental aliada a agricultura, respeitando a biodiversidade e promovendo o desenvolvimento socioambiental. Esse novo modo de cultivar aterra, contribui para o melhoramento da qualidade do solo, já que, contrário a agricultura tradicional causa menos impactos no meio ambiente; visto que, a quantidade de defensivos utilizados para controles de pragas é menor, a adubação com fertilizantes químicos é quase nula. Além disso, a quantidade de água utilizada para irrigação é reduzida, pois o solo fica menos exposto evitando a perda brusca de água.

Os principais benefícios citados por autores são: maior cobertura do solo, maior disponibilidade de matéria orgânica, fixação biológica de nitrogênio, controle da erosão e lixiviação, aumento da biodiversidade, melhoramento na qualidade da água e do ar, maior retenção de água no solo, aumento do fluxo gênico entre fauna e/ou flora e diminuição na incidência de pragas.

Entretanto, para que tudo isso funcione é necessário que ao final da colheita o agricultor consiga retirar seu sustento, é tudo muito bonito no papel, mas essas pessoas precisam de auxílio para implementação de agrofllorestas, não é simplesmente sair plantando tudo o que vem a cabeça dentro das matas; é necessário planejamento, seriedade na execução e ao final de tudo, satisfação dos agricultores em relação a colheita.

Portanto, investimento em ações que proporcione aos agricultores mais conhecimento acerca do assunto, promover apoio aos proprietários dos terrenos e incentivar o comércio local a consumir os produtos produzidos no sistema agroflorestal; se fazem necessários para obtenção de satisfação de todos.  Infelizmente, os agricultores, sejam eles grandes, médios ou pequenos, tem uma visão muito negativa em relação ao meio ambiente; porque pensam que desde que foram implementadas as leis de proteção ambiental o Estado vem reprimindo suas atividades. É necessário que haja a quebra deste paradigma, para que finalmente consiga-se um desenvolvimento sustentável que seja real e aplicável.

BIBLIOGRAFIA

LIMA, Sandra Santana de; et al. Atributos químicos e estoques de carbono e nitrogênio em argissolo vermelho-amarelo sob sistemas agroflorestais e agricultura de corte e queima no norte do Piauí. Rev. Árvore, Viçosa, v. 35, n. 1, p. 51-60, fev.  2011.   Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-67622011000100006&lng=en&nrm=iso&gt;. Acesso em: 26 abril de 2021.  https://doi.org/10.1590/S0100-67622011000100006.

Lunelli, Naiana P.; Ramos, Soraia F.; Júnior, Clovis J. F. Oliveira. Agroflorestas e externalidades., Revista Verde (Mossoró –RN -BRASIL), v. 8, n. 5, p. 163 -170, (Edição Especial) dezembro, 2013. Disponível em: < https://editoraverde.org/gvaa.com.br/revista/index.php/RVADS/article/view/2104/2253>. Acesso em 26 de abril de 2021.

ARATO, Helga Dias; MARTINS, Sebastião Venâncio; FERRARI, Silvia Helena de Souza. Produção e decomposição de serapilheira em um sistema agroflorestal implantado para recuperação de área degradada em Viçosa-MG. Rev. Árvore, Viçosa, v. 27, n. 5, p. 715-721, out.  2003.   Disponível em<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-67622003000500014&lng=en&nrm=iso&gt;. Acesso em: 26 de abril de 2021.  https://doi.org/10.1590/S0100-67622003000500014.

VIEIRA, Thiago Almeida et al. Sistemas agroflorestais em áreas de agricultores familiares em Igarapé-Açu, Pará: caracterização florística, implantação e manejo. Acta Amaz., Manaus, v. 37, n. 4, p. 549-557, 2007.   Disponível em:<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0044-59672007000400010&lng=en&nrm=iso&gt;. Acesso em 26 abril de 2021.  https://doi.org/10.1590/S0044-59672007000400010.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: