O papel da educação ambiental

O termo Educação Ambiental surgiu após a Conferência de Estocolmo, na década de 70. E foi citada explicitamente, na Política Nacional de Educação Ambiental (instituída pela lei 9795/99). E após firmamento de parceria entre o Ministério de Meio Ambiente e do Ministério da Educação, a escola passou a ser uma das principais, mas não única, instituições de promoção de educação ambiental. Que passa a ser considerada como uma política pública.

O principal objetivo dessa Política Pública é; promover a cidadania, através de conhecimentos, habilidades, competências e atitudes, para reforçar a conservação do meio ambiente; é promover o desenvolvimento sustentável que respeite os aspectos socioambientais de um local; e objetiva a uma educação formadora de pessoas que possuem uma visão crítica, emancipatória e responsável pelo mundo que habita.

Hoje, apesar do grande volume de informações, corretas, acerca do assunto, meio ambiente. Nota-se que os esforços da construção de uma sociedade ambientalmente responsável, está a se diluir, devido uma forte tendencia de apropriação, capitalista e funcionalista, privada dos benefícios materiais gerados pela natureza. Além disso, outra situação que vem de encontro com essa diluição, é o constante ataque, através de informações falsas ou errôneas que assombram toda conquista alcançada pelas políticas de educação ambiental.

É muito comum notar a naturalização de grandes desastres ambientais, como por exemplo: as recorrentes queimadas intencionais, o desmatamento das florestas nativas, a exploração indevida de animais para o tráfico, a poluição dos rios, do solo e do ar. E atuar com educação ambiental com os mais jovens, é a chave para a mudança comportamental em relação ao meio ambiente. Isso porque, os mais novos tendem a absorver o conteúdo com mais facilidade e levar esse conhecimento adquirido para outras pessoas; criando um grande ciclo de passagem de conhecimento.

Por isso, uma educação ambiental que se expanda para além das paredes da escola, através dos meios de comunicação (tv, rádio, redes sociais…) é essencial para reversão da situação ambiental atual.

“Só se preserva aquilo que se ama, só se ama aquilo que se conhece

(Aloísio Magalhães)

REFERÊNCIAS:

Sauvé, Lucie. Educação ambiental: possibilidades e limitações. Educação e Pesquisa [online]. 2005, v. 31, n. 2, pp. 317-322. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/S1517-97022005000200012&gt;. Acesso em 10 de julho de 2021.

Sorrentino, Marcos et al. Educação ambiental como política pública. Educação e Pesquisa [online]. 2005, v. 31, n. 2, pp. 285-299. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/S1517-97022005000200010&gt;. Acesso em 10 de julho de 2021.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: